Férias na Estrada: A Melhor Ideia de Viagem

As férias na estrada, ou “road trip”, estão a voltar à moda (se é que alguma vez o estiveram anteriormente). Em vez de escolher um destino e acelerar pela autoestrada para chegar rapidamente à meta, os turistas ponderam conhecer a fundo uma determinada região, circulando ao longo dos seus pontos turísticos a uma velocidade moderada. E, em vez de passarem uma ou duas semanas no mesmo local, podem antes fazer curtas paragens de dois ou três dias, ou mesmo dormir cada noite num “hostel” ou “guest house” diferente.

A emergência do “slow movement” está relacionada com esta ideia de cortar radicalmente com a realidade apressada do quotidiano moderno. Em férias, nada como circular sem pressa, desfrutar da estrada, “não para fazer um grande tempo, mas para passar um belo tempo” (numa citação do filme “Carros”), absorvendo todos os detalhes de uma cidade ou região e já não se limitando a saltitar apressadamente entre os ícones mais conhecidos. O melhor de tudo é que poderá tornar-se mais barato – pelo menos as despesas com portagens estarão fora do orçamento!

Estrada Nacional 2: a “Route 66” portuguesa

O projeto mais ambicioso de “road trip” em Portugal será, certamente, o da Estrada Nacional 2, que liga Chaves a Faro. Relativamente abandonada com a deslocação do “paísroute-66-110606_960_720” para o litoral, a estrada tem vindo a ser recuperada e preparada, por iniciativa das 36 autarquias por onde passa, numa extensão de quase 740 quilómetros. Atravessando Trás-os Montes, cruzando o Douro, prosseguindo pela Beira a caminho do Alentejo e terminando no Algarve: duas semanas chegarão para conhecer “a fundo” o país profundo!

Costa Alentejana

Por outro lado, se nunca fez uma “road trip” e pretende começar por algo menos ambicioso (e mais económico, para quem não vive no Algarve ou em Trás-os-Montes), há a possibilidade de fazer o percurso da costa alentejana, entre Lisboa e Algarve. Mesmo quem já esteve de férias em Vila Nova de Milfontes não terá tido possibilidade de apreciar devidamente os 200 quilómetros de costa entre Troia e Sagres, enriquecidos, no caminho, com o Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina.

Leave a Reply