Guia Turístico do Alentejo

O Alentejo é uma verdadeira miscelânea turística, onde se pode encontrar de tudo um pouco. Conheça aqui um sintético guia turístico do Alentejo, segundo quatro grandes “traves-mestras” em termos de viagem e lazer:

Praias

Vila Nova de Milfontes e Porto Covo já são relativamente conhecidas enquanto praias não atingidas pela massificação que “assolou” o Algarve e outros pontos do litoral. Ainda hoje, continua a ser possível fazer aí praia sem enfrentar grandes multidões. Mas o litoral alentejano, desde Troia até à costa vicentina, é imenso e esconde vários tesouros, como a lagoa de St. André, os afamados restaurantes da praia de S. Torpes ou as praias para o “surf”, na continuidade do Parque Natural, como a Arrifana.

Enoturismo

Os vinhos do Alentejo encontram-se entre os preferidos a nível nacional. A região demarcada encontra-se sensivelmente ao centro, relativamente próxima de Alqueva. Cidades como Borba e Reguengos de Monsaraz (Capital Europeia do Vinho 2015) encantam os enólogos e enófilos, pela riqueza das suas adegas cooperativas e a diversidade das suas ofertas turísticas. Quintas e herdades como a do Esporão dedicam-se não só a produzir os melhores vinhos, mas também a oferecer uma experiência única (entre estadia, provas de vinhos e gastronomia) aos seus visitantes.

Alqueva

A grande barragem não trouxe só um grande potencial agrícola, mas a possibilidade de fazer passeios de barco, almoçar à beira d’ água ou remar numa canoa. Sabia que, ao todo, são cerca de 1100 km de margens?

Vilas históricas

No Alentejo encontrará também vilas históricas, poderosamente 2001.09.00._Portugal._Almendradefendidas por vetustas muralhas, que as protegeram da passagem do tempo. Marvão ergue-se a quase 800 metros de altitude, sobre a serra de S. Mamede, com vista sobre uma grande extensão de Espanha. Monsaraz, que veio a perder o estatuto para a nova Reguengos, mantém todo o seu charme, enriquecido agora com a presença do lençol de água de Alqueva. Em Mértola, o aspeto de presépio ocupando uma colina sobre o Guadiana deixa-nos imaginar a cidade rica e dinâmica que aqui existiu nos períodos romano e sobretudo islâmico, quando o Guadiana era a grande via de comunicação da região.

Leave a Reply